1. O pajem de armas e o futuro do Ministro: Davi foi ungido pelo profeta Samuel segundo um mandato de Deus, mas isso não lhe assegurou assentar-se no trono imediatamente. O imediatismo do povo latino prova o desprepara moral, espiritual e ministerial de quase todos os nossos ministros. Sabemos que a maioria aprende com os seus erros durante o ministério e não antes, como se supõe nas grandes Escolas Universais dispersas em toda a História da Igreja, fato que atrasa profundamente o desenvolvimento do Evangelho de Cristo na Terra. A espera de Davi até ao trono se assemelha à espera de Josué e Calebe, seus ancestrais. Imaginem ter a promessa de possessão de uma herança e não poder assumi-la por causa da geração ainda despreparada por causa da incredulidade. Ter que percorrer 38 anos dando volta em Cades Barneia, até que a velha geração morra da qual restará apenas Josué e Calebe, prova para todos os ministros novatos e experientes que Deus precisou retirar os costumes da velha geração que está em nós. Deus sabia que Josué e Calebe eram os únicos que entrariam na terra, mas também sabia que precisa ainda 38 anos para retirar a velha geração do coração de ambos. Isso é muito importante. Por isso muitos obreiros e líderes reclamam por todos os meios o cumprimento imediato das promessas de Deus, sem imaginar o que Deus realmente está fazendo. O texto abaixo mostra que Davi apresentou-se diante de Saul e este o fez pajem de armas.

2. Sabemos que Davi precisava conhecer os movimentos do Palácio. Como pajem de armas aprenderia os segredos das flechas, dos pesos apropriados para os alvos em suas diferentes metragens. Como pajem de armas aprenderia a diferença entre uma pedra lisa do rio e um arco. Aprenderia a arte da guerra, pois era apenas um pastorzinho de ovelhas, segundo a concepção de seus irmãos. Tudo isto enfrentamos em qualquer ministério. Essas circunstâncias são comuns em qualquer denominação. Davi achou graça diante de Saul, e este disse que o amava. Mas não devemos nos iludir com essas declarações, especialmente dos mais importantes líderes. A maioria deles não lembra de ti nos dias das suas festas. Tenha certeza disso. Por outro lado, Davi poderia ser apenas um pajem de armas e esquecer-se da unção para ser rei. Poderia abortar aquela unção e tomar seu destino como um soldado especial do rei. Assim tem acontecido com muitos que se desesperam e abortam a principal missão pelas oferendas do tempo de preparação. Não faça isso.

3. A visão de Davi, sendo inspirado pelo Espírito que o ungiu não misturava o palácio e o curral. Queremos sempre estar nas sedes, nos glamoures do palácio. Mas quem quer estar perto no trono deve saber que está bem próximo da espada. Davi preferia estar no aprisco com as ovelhas. Ele era livre, aproveitou o tempo de preparo no palácio ao lado de Saul mas jamais se iludiu (1 Samuel 16:20-23): “E Jessé preparou um jumento carregado de pão e um cântaro de vinho e um cabrito, e enviou-os a Saul, por intermédio de Davi, seu filho. E veio Davi a Saul, e apresentou-se diante dele e Saul teve grande estima por ele; e converteu-se em seu pajem de armas. Então, Saul enviou um mensageiro a Jessé, dizendo: “Deixa Davi estar comigo, pois achou graça diante de meus olhos”. E acontecia que, quando o espírito maligno da parte de Deus estava sobre Saul, que Davi tomava a harpa e a tangia com as suas mãos, de modo que Saul encontrava alívio e se sentia bem, e o espírito maligno se afastava dele.” As tribulações levantadas contra Davi no palácio foram aproveitadas para que Davi não pusesse o seu amor na Escola de Preparação anulando o futuro reinado sobre Israel. Assim, ele ía e voltava entre o Palácio e o Curral. Devemos saber fazer este jogo de cintura para não perder a graça do pastoreio e nem deixar de buscar a justiça do reino (1 Samuel 17:15): “E Davi ia e voltava de Saul, e apascentava as ovelhas de seu pai, em Belém”. Somente depois de muito tempo vamos saber por que os espíritos malignos se levantam contra nós usando os próprios líderes, colegas ou familiares.

4. Deus tem um propósito sempre, e obriga-se estar no controle de nossas vidas quando percebe que não misturamos o sonho com a ambição carnal. Já no fim da vida de Saul entenderemos por que Davi não quis permanecer como pajem de armas, ou escudeiro; lendo o texto a seguir podemos ter a resposta para muitas de nossas perguntas no caminho da realização de nosso ministério (1 Samuel 31:3-5): “E a batalha concentrou-se em Saul, e os flecheiros o alcançaram, e teve grande temor diante dos flecheiros. Então, disse Saul a seu escudeiro: Saca a tua espada e traspassa-me com ela, não seja que venham esses incircuncisos e me traspassem, zombando de mim. Mas, o seu escudeiro não quis fazê-lo, pois tinha grande temor. Então, Saul tomou a sua espada e caiu sobre ela. E quando o escudeiro viu que Saul estava morto, também caiu sobre a sua espada e morreu com ele”. Você deve estar se perguntando qual é a resposta? Eu termino dizendo que se você misturar o sonho com a sua ambição imediatista, ao invés de assentar-se no trono, morrerá como escudeiro junto com o seu predecessor.

Texto extraído da Bíblia Revelada Alpha, Antigo Testamento Comentado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X